ADMINISTRADA PELA ADECADI

Coxinha ao volante, motociclista sem cinto e motorista de caminhonete sem capacete: veja multas inusitadas aplicadas no Paraná

Há casos bizarros também, como um motociclista multado por não usar cinto de segurança ou a motorista de uma caminhonete que recebeu uma autuação por não estar usando capacete.

Confira, a seguir, algumas multas inusitadas que já foram aplicadas a motoristas paranaenses.

Coxinha ao volante

Motorista foi multada pelo Artigo 169, do CTB — Foto: Detran-PR/Divulgação

A multa foi registrada em um cruzamento no Centro da cidade.

No auto de infração, o agente registrou que a motorista estava “dirigindo com a mão esquerda apoiada no volante segurando uma ‘coxinha’ e com a mão direita um sachê de maionese”.

A condutora foi autuada por dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança, conforme o Artigo 169 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Sem capacete na caminhonete

A moradora de Curitiba Sintia Bogo Perotto relembra a época que andava com uma caminhonete e tomou um susto quando recebeu uma multa por estar dirigindo sem capacete.

“Como assim? Não sabia que teria que usar capacete”, brinca.

Ela conta que a multa foi registrada em uma cidade de Minas Gerais, porém, naquele dia e horário ela estava trabalhando em Tangará, Santa Catarina.

“Tive que recorrer. Como trabalhava, juntei o comprovante do ponto indicando que no momento estava em Santa Catarina, no trabalho… Enfim, um transtorno. Na hora que recebi a multa comecei a rir, mas dá uma dorzinha de cabeça até você provar que focinho de porco não é tomada”, afirma.

Velozes e furiosos

Registros de fuscas trafegando a mais de 100 km/h em Londrina — Foto: PRF

As multas por velocidade são as autuações mais aplicadas no Brasil, segundo a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran).

Porém, um fusca flagrado trafegando a mais de 120 km/h chama a atenção. Entre janeiro e março de 2024, foram dois casos como este, ambos na PR-445, em Londrina.

Segundo a polícia, nos trechos onde foram flagrados, a velocidade máxima permitida é de 70 km/h para veículos leves.

Os motoristas foram multados por excesso de velocidade, infração considerada gravíssima, que acarreta 7 pontos na carteira, suspensão da habilitação e multa de R$ 880,41.

Motociclista sem cinto

Motociclista do Paraná ganha multa por não usar cinto de segurança em cidade que nunca visitou — Foto: Arquivo Pessoal

Além da multa de R$ 195,23, foram aplicados 5 pontos na CNH do proprietário da motoneta.

Os donos do veículo afirmaram que pretendem recorrer da multa.

Motociclista do Paraná ganha multa por não usar cinto de segurança

Motociclista do Paraná ganha multa por não usar cinto de segurança

Recebi uma multa com falhas, o que fazer?

Motoristas e proprietário de veículos que identificarem algum erro ou não concordarem com ela, podem recorrer, como prevê o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Existem três possibilidades para se defender, segundo o Detran-PR:

  • Defesa da Autuação: É a primeira possibilidade para que o cidadão apresente sua contestação;
  • Recurso na Jari: Não havendo apresentação de Defesa da Autuação ou caso a defesa seja rejeitada, a Autoridade de Trânsito expedirá a notificação da penalidade de multa indicando o prazo para o cidadão interpor Recurso na Junta Administrativa de Recursos e Infrações (Jari);
  • Recurso Cetran: Caso o Recurso na Jari seja negado, o cidadão será notificado da decisão, podendo recorrer ao Conselho Estadual de Trânsito (Cetran). Este recurso deve ser apresentado até a data estabelecida na notificação do resultado de Recurso na Jari.

Em 2022, o Detran aplicou 333.020 multas no Paraná e 2,9% motoristas recorreram. No ano seguinte, foram 380.283 multas e 3,1% recorreram.

Entre janeiro e junho de 2024, foram 216.927 multas. Dessas, 3,3% dos condutores recorreram.

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 Paraná