ADMINISTRADA PELA ADECADI

Empresário que reagiu a assalto e deu cinco tiros em suspeito armado no Paraná terá conduta investigada em inquérito

O caso aconteceu no dia 13 de junho em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, e foi filmado pela câmera de segurança da loja de celulares onde aconteceu o caso. Veja vídeo acima.

Agora, a Justiça determinou que um novo inquérito seja aberto para apurar a conduta do homem, que tem 29 anos. Segundo o delegado Luiz Gustavo Timossi, o procedimento será feito pela delegacia de homicídios.

A ordem veio do juiz Hélio Cesar Engelhardt, que no mesmo documento converteu de flagrante para preventiva a prisão do suspeito de roubo.

“Oficie-se à Autoridade Policial solicitando informações, no prazo de 48 horas, quanto à instauração de Inquérito Policial, para investigação da conduta praticada pela vítima, para averiguação de eventual excesso ou presença da excludente de ilicitude da legítima defesa, o que somente poderá ser determinado com a instauração de autos respectivos para investigação”, aponta o texto.

O g1 tenta identificar a defesa do empresário.

O baleado tem 23 anos e continua internado em estado grave, estável, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário Regional da Universidade Estadual de Ponta Grossa (HU-UEPG), de acordo com a assessoria do hospital.

Ele está escoltado pela Polícia Militar (PM) e, quando tiver alta, deve ser ouvido pela polícia e encaminhado à Cadeia Pública de Ponta Grossa.

Segundo o juiz, ele possui três condenações anteriores pelo crime de tráfico.

O jovem foi indiciado por tentativa de roubo majorado pelo emprego de arma de fogo

Até a publicação desta reportagem, ele ainda não possuía defesa constituída.

Legítima defesa

O delegado Lucas Andraus, responsável pelo inquérito do assalto, entendeu que o empresário agiu em legítima defesa. Para ele, o homem atendeu aos requisitos previstos no Código Penal, que afirma não haver crime quando o fato é praticado em legítima defesa.

“Ele se encontrava diante de uma injusta agressão atual a bens jurídicos próprios e alheios, ou seja, diante de uma conduta vigente contrária ao direito que lesava e expunha a risco não apenas sua vida e patrimônio, como também os de sua família. Além disso, porque se valeu do meio menos lesivo dentre os eficazes à sua disposição, sua pistola calibre 9 mm, devidamente registrada, único instrumento capaz de repelir, naquele momento, a injusta agressão que era praticada através do emprego ostensivo de revólver. Ademais, porque utilizou esse meio com moderação, isto é, de modo proporcional à agressão sofrida, interrompendo seus disparos tão logo cessado o comportamento criminoso, não havendo falar em excesso”, afirma o delegado.

Andraus também ressalta que a arma de fogo do empresário é registrada “e por essa razão ele podia mantê-la no interior do estabelecimento pelo qual é responsável, nos termos do artigo 5º, da Lei 10.826/03, não havendo falar em posse ilegal”.

Relembre o caso

Empresário reage a assalto e dá cinco tiros em suspeito armado — Foto: Reprodução

O caso foi filmado por uma câmera de segurança da loja de celulares.

As imagens mostram que o suspeito entra na loja usando um capacete e anuncia um assalto, enquanto tira uma arma de dentro da calça e se aproxima da esposa do empresário, que trabalha no local.

Ao mesmo tempo, o empresário, que estava sentado atrás de um balcão, também pega uma arma da própria calça e atira cinco vezes contra o suspeito.

De acordo com o delegado Lucas Andraus, logo após o ocorrido o irmão do empresário, que também estava na loja, acionou a PM e o Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate).

O suspeito baleado foi levado ao hospital. Além dele, mais ninguém se feriu.

Investigação

A polícia recolheu as armas do suspeito e do empresário, que estão sendo periciadas.

Segundo o delegado Lucas Andraus, a arma do suspeito era um revólver calibre .38 com numeração raspada e estava municiado, enquanto que a do empresário era uma de calibre .9mm e será restituída assim que o laudo for concluído.

“O Boletim de Ocorrência apresentado pela Polícia Militar não citou a participação de outras pessoas no delito. Mesmo assim, foram realizadas diligências pela Polícia Civil com o intuito de tentar localizar e identificar possíveis comparsas. Até o presente momento, não foi constatada a participação de outros envolvidos”, explica Andraus.

Polícia Militar recomenda às pessoas nunca reagirem a assaltos

A orientação da PM é que as vítimas acionem a polícia por meio do telefone ou aplicativo e descrevam características do suspeito, além de informar o horário e local do crime.

Vídeos mais assistidos do g1 PR: