ADMINISTRADA PELA ADECADI

Mãe que perdeu o filho de 6 anos após retirada de amígdalas fala sobre o atendimento


A CATVE esteve no município de São José das Palmeiras para ouvir a mãe que perdeu o filho de apenas 6 anos no dia 05/07. Segundo a família, uma sequência de erros na saúde pública pode ter agravado o quadro da criança que havia passado por uma cirurgia de retirada de amígdalas em Curitiba que resultou no óbito. A mãe, Bruna Andrade, está inconsolável. No final da tarde de quarta-feira (6), ela sepultou o filho Ygor Andrade, enquanto falava com a nossa equipe ela mostrou uma foto especial, que foi impressa para colocar em um quadro. O sorriso era a marca registrada do menino. A criança iniciou o tratamento de laringite aguda há 2 anos, e no ano passado teve piora do quadro clínico. Os médicos indicaram a cirurgia para tratar os agravos respiratórios e devido demora em função da pandemia o SUS só liberou o procedimento para 2022. No dia 30 de junho houve a retirada das amígdalas e adenoide em um hospital de Curitiba, mas o médico orientou a mãe a retornar urgentemente caso houvesse sangramentos. Conforme a mãe, no final de semana Ygor não se alimentava porque reclamava que a garganta estava doendo. Ele perdeu peso e estava muito fraco. Na segunda-feira (4), começou a sangrar pela boca e nariz, mas ao ligar para a Central do Samu, informaram para aguardar. Diante da negativa de levar o garoto para Curitiba, alegando o protocolo, o menino deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Toledo e a mãe recebeu outra notícia preocupante. Bruna voltou com o filho pra casa e um dia depois, na terça-feira (5), Ygor teve novo sangramento.De Costa Oeste