ADMINISTRADA PELA ADECADI

O que se sabe e o que falta esclarecer sobre o caso da jovem que morreu após levar tijoladas e ser incendiada no meio da rua, no Paraná

A Polícia Civil tenta identificar o responsável pelo assassinato.

Veja, abaixo, o que se sabe e o que falta esclarecer sobre o caso.

  1. Como aconteceu o crime
  2. Quem é a vítima
  3. O que diz a polícia
  4. O que falta esclarecer sobre o caso

Polícia investiga morte de mulher apedrejada e queimada em Ponta Grossa

Polícia investiga morte de mulher apedrejada e queimada em Ponta Grossa

1- Como aconteceu o crime

O caso aconteceu no início da manhã de sexta-feira (5), por volta das 6h30, na Rua Francisco Otaviano, que fica na região da Palmeirinha, Bairro Nova Rússia.

De acordo com a Polícia Militar (PM), testemunhas disseram que viram Inglidi discutindo com um homem, que a agrediu com tijolos, ateou fogo no corpo da jovem e fugiu a pé na sequência.

Para a Polícia Civil, as agressões foram feitas com pedras.

Homem dá tijoladas e ateia fogo em mulher no meio da rua em Ponta Grossa, segundo PM — Foto: Carla Yarin/RPC

2- Quem é a vítima

A vítima foi identificada como Inglidi Joseleia dos Santos de Freitas, de 20 anos.

Conforme a família, ela deixa dois filhos pequenos: um bebê de onze meses e uma criança de cinco anos.

A jovem foi sepultada na tarde de sábado (6), no cemitério São Vicente de Paula.

3- O que diz a polícia

Inicialmente, a Polícia Militar (PM) afirmou que a mulher foi assassinada pelo próprio companheiro. Porém, segundo a família, Inglidi era solteira.

A Polícia Civil está tentando identificar o suspeito e afirma que não descarta nenhuma linha de investigação.

De acordo com a família, Inglidi foi encontrada sem os pertences pessoais.

O delegado Luiz Gustavo Timossi afirma que não há indicativo de latrocínio – roubo seguido de morte, mas que a hipótese ainda não foi descartada.

“Trabalhamos com todas as linhas de investigação, embora não haja indicativo hoje de latrocínio não é descartada também a possibilidade. […] Estamos tentando identificar porque essa vítima foi assassinada, se foi homícidio em decorrência da condição dela do sexo feminino ou não”, afirma Timossi.

Ele afirma que não vai dar mais detalhes sobre o caso no momento para não atrapalhar a investigação.

4- O que falta esclarecer sobre o caso

Ainda falta esclarecer quem matou a jovem, qual a relação do assassino com a vítima e qual foi o motivo do crime.

Vídeos mais assistidos do g1 PR: