ADMINISTRADA PELA ADECADI

Piso da enfermagem: STF forma maioria para manter como referência jornada de 44 horas semanais


O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria de votos nessa segunda-feira (18) para manter como referência para o piso de enfermagem as 44 horas semanais e também permitir reduzir o piso proporcionalmente à redução da jornada.Dessa forma, o piso não muda. O piso nacional da enfermagem foi instituído pela Lei 14.434, de 2022, no valor de R$ 4.750 para enfermeiros dos setores público e privado.Para o setor privado, a maioria da Corte fixou ainda a possibilidade da celebração de dissídios coletivos.Com isso, a regulamentação do piso para os profissionais de enfermagem celetistas em geral seria de forma regionalizada, com negociação coletiva a ser feita nas diferentes bases territoriais, e, frustrada essa negociação, seria permitido o dissídio coletivo. Na decisão anterior da Corte, se a negociação fosse frustrada, o piso teria que ser pago.Os ministros julgam no plenário virtual sete recursos que questionam a decisão que determinou o pagamento do piso da enfermagem a partir de critérios. Entre os pedidos estão o de que o piso seja pago independente da carga horária.A maioria da Corte seguiu o voto do ministro Dias Toffoli, que foi acompanhado por Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Nunes Marques.O relator, o ministro Roberto Barroso, defendeu a redução da carga horária utilizada como referência para o pagamento do piso remuneratório para os profissionais de enfermagem. Esse critério também seria aplicado a toda categoria na rede privada e pública.Barroso também mantinha o entendimento de que a remuneração mínima deve somar o vencimento do cargo com verbas de caráter permanente e ainda para a redução.Barroso foi acompanhado por Edson Fachin e Cármen Lúcia.De Costa Oeste