ADMINISTRADA PELA ADECADI

Produtores de Carambeí querem que tortas típicas da cidade recebam certificação nacional

Produtores de Carambeí, nos Campos Gerais do Paraná, querem que as tortas doces típicas da cidade recebam o título de Indicação Geográfica (IG), uma certificação nacional concedida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) e que potencializa a valorização e reconhecimento de produtos.

Na cidade, maior colônia holandesa do Brasil, as tortas começaram a fazer sucesso nos anos 2000. O historiador Felipe Pedroso explica que, durante anos, a cidade acreditava que a tradição da torta tinha sido “trazida na mala” pelos holandeses, mas segundo Pedroso, a cultura foi ganhando força, na verdade, a partir de referências culturais variadas de Carambeí.

“Ou seja, a torta só existe a partir da realidade de Carambeí”, resume.

Em 2023, a Associação dos Produtores de Tortas de Carambeí (APTC), em conjunto com o Sebrae, começou a trabalhar para obter a IG na modalidade Indicação de Procedência (IP). O processo envolve a apresentação de documentos técnicos específicos, sustentando a relevância do produto.

Segundo a consultora do Sebrae Nádia Joboji, a expectativa é que até julho seja formalizado o pedido dos produtores para que o INPI avalie se as tortas podem, ou não, receber o reconhecimento.

De tradição a negócio

Torta Holandesa é um dos carros-chefes da confeitaria de Frederica Dykstra — Foto: Divulgação

O historiador Felipe Pedroso explica que, inicialmente, as tortas ficavam mais restritas ao interior das residências, sendo uma refeição mantida entre as famílias após cultos religiosos, como os holandeses faziam. Com o tempo, porém, as tortas começaram a aparecer nos comércios.

Foi o caso de Frederica Dykstra, que junto ao marido, começou a comandar uma confeitaria em 2002. O que começou como um sonho, virou a renda oficial da família. Mesmo após a morte do marido, ela resolveu continua investindo. Hoje, ela conta com confeitarias que acomodam mais de 200 pessoas e oferecem mais de 60 variedades de tortas e salgados.

O que também ajudou a fomentar a tradição torteira foi o Festival de Tortas, criado em 2010. O evento também serviu para impulsionar o potencial confeiteiro da cidade.

Foi na ocasião que o empresário Diego Wolf, por exemplo, decidiu entrar no negócio.

“Nós iniciamos na atividade com o 2º Festival de Tortas. Depois disso, a vontade em criar doces e ver o sentimento das pessoas refletido em um sorriso no rosto após experimentar um pedaço de torta foi o que nos deixou com mais vontade de preparar essas delícias”, explica o empresário.

Outro local que explora o potencial econômico das tortas, e o associa ao turismo de Carambeí, é o lavandário Het Dorp. Embora o projeto inicial do lavandário Het Dorp não tenha contemplado a venda de tortas, a demanda dos turistas falou mais alto.

“Por enquanto estamos com um cardápio reduzido, com 6 sabores, já que adaptamos a cozinha da queijaria para fabricar as tortas. Mas estamos construindo um café maior”, diz um dos sócios proprietários do estabelecimento, Paulo Ricardo Los.

Os vídeos mais assistidos do g1 PR: